Brasileiros em finais sulamericanas

02/12/2010

Pode parecer incrível, mas a presença do Goiás na final da Copa Sul-Americana de 2010 é a 64ª de um clube brasileiro em uma final de competição organizada pela Conmebol (Confederação Sulamericana de Futebol). Das outras 63 vezes que chegou à final, o Brasil foi campeão 36 vezes, sendo que 11 dessas 36 tiveram o outro finalista também brasileiro. Das finais contra clubes estrangeiros, o Brasil venceu 25 e perdeu 27 vezes.

Dentre os clubes mais vezes finalistas, Cruzeiro e São Paulo empatam com 15 finais. Palmeiras e Internacional têm 7 cada. O Flamengo tem 6 finais, enquanto Grêmio e Atlético Mineiro têm 5. O Santos tem 4 finais e o Vasco tem 3. Fluminense e Botafogo têm 2 cada. São Caetano, Atlético Paranaense, CSA de Alagoas e agora o Goiás têm 1 final.

As competições consideradas foram: Copa Libertadores (1960-2010), Copa Sulamericana (2002-2010), Supercopa Libertadores (1988-1997), Copa Mercosul (1998-2001), Recopa Sulamericana (1989-2010), Copa Conmebol (1992-1999), Copa Ouro (1993-1996), Copa Masters da Supercopa (1992-1995), Copa Masters da Conmebol (1996), Copa Interamericana (1968-1998), Copa Suruga Bank (2008-2010)

Ano Competição Clube brasileiro Clube rival Resultado
1961 Libertadores Palmeiras Peñarol (URU) Vice
1962 Libertadores Santos Peñarol (URU) Campeão
1963 Libertadores Santos Boca Juniors (ARG) Campeão
1968 Libertadores Palmeiras Estudiantes (ARG) Vice
1974 Libertadores São Paulo Independiente (ARG) Vice
1976 Libertadores Cruzeiro River Plate (ARG) Campeão
1977 Libertadores Cruzeiro Boca Juniors (ARG) Vice
1980 Libertadores Internacional Nacional (URU) Vice
1981 Libertadores Flamengo Cobreloa (CHI) Campeão
1983 Libertadores Grêmio Peñarol (URU) Campeão
1984 Libertadores Grêmio Independiente (ARG) Vice
1988 Supercopa Cruzeiro Racing (ARG) Vice
1991 Supercopa Cruzeiro River Plate (ARG) Campeão
1992 Libertadores São Paulo Newell’s Old Boys (ARG) Campeão
1992 Supercopa Cruzeiro Racing (ARG) Campeão
1992 Conmebol Atlético Mineiro Olimpia (PAR) Campeão
1992 Recopa Cruzeiro Colo-Colo (CHI) Vice
1992 Masters Supercopa Cruzeiro Boca Juniors (ARG) Vice
1993 Libertadores São Paulo Universidad Católica (CHI) Campeão
1993 Supercopa São Paulo Flamengo Campeão e vice
1993 Conmebol Botafogo Peñarol (URU) Campeão
1993 Recopa São Paulo Cruzeiro Campeão e vice
1993 Copa Ouro Atlético Mineiro Boca Juniors (ARG) Vice
1994 Libertadores São Paulo Vélez Sársfield (ARG) Vice
1994 Conmebol São Paulo Peñarol (URU) Campeão
1994 Recopa São Paulo Botafogo Campeão e vice
1995 Libertadores Grêmio Atlético Nacional (COL) Campeão
1995 Supercopa Flamengo Independiente (ARG) Vice
1995 Conmebol Atlético Mineiro Rosario Central (ARG) Vice
1995 Copa Ouro Cruzeiro São Paulo Campeão e vice
1995 Masters Supercopa Cruzeiro Olimpia (PAR) Campeão
1996 Supercopa Cruzeiro Vélez Sársfield (ARG) Vice
1996 Recopa Grêmio Independiente (ARG) Campeão
1996 Copa Ouro Flamengo São Paulo Campeão e vice
1996 Masters Conmebol São Paulo Atlético Mineiro Campeão e vice
1997 Libertadores Cruzeiro Sporting Cristal (PER) Campeão
1997 Supercopa São Paulo River Plate (ARG) Vice
1997 Conmebol Atlético Mineiro Lanús (ARG) Campeão
1998 Libertadores Vasco Barcelona (ECU) Campeão
1998 Conmebol Santos Rosario Central (ARG) Campeão
1998 Recopa Cruzeiro River Plate (ARG) Campeão
1998 Mercosul Palmeiras Cruzeiro Campeão e vice
1998 Interamericana Vasco DC United (EUA) Vice
1999 Libertadores Palmeiras Deportivo Cali (COL) Campeão
1999 Conmebol CSA Talleres (ARG) Vice
1999 Mercosul Flamengo Palmeiras Campeão e vice
2000 Libertadores Palmeiras Boca Juniors (ARG) Vice
2000 Mercosul Vasco Palmeiras Campeão e vice
2001 Mercosul Flamengo San Lorenzo (ARG) Vice
2002 Libertadores São Caetano Olimpia (PAR) Vice
2003 Libertadores Santos Boca Juniors (ARG) Vice
2005 Libertadores São Paulo Atlético Paranaense Campeão e vice
2006 Libertadores Internacional São Paulo Campeão e vice
2006 Recopa São Paulo Boca Juniors (ARG) Vice
2007 Libertadores Grêmio Boca Juniors (ARG) Vice
2007 Recopa Internacional Pachuca (MEX) Campeão
2008 Libertadores Fluminense LDU Quito (ECU) Vice
2008 Sulamericana Internacional Estudiantes (ARG) Campeão
2009 Libertadores Cruzeiro Estudiantes (ARG) Vice
2009 Sulamericana Fluminense LDU Quito (ECU) Vice
2009 Recopa Internacional LDU Quito (ECU) Vice
2009 Suruga Internacional Oita Trinita (JAP) Campeão
2010 Libertadores Internacional Guadalajara (MEX) Campeão
2010 Sulamericana Goiás Independiente (ARG)

Corinthians 100 anos

01/09/2010

Escudo Corinthians 1910Escudo CorinthiansHoje, 1 de setembro de 2010, completa 100 anos um dos maiores clubes de futebol do Brasil: o Sport Club Corinthians Paulista. O clube foi fundado em 1910 por um grupo de operários, que queriam um time popular para defrontar os clubes de elite que já existiam na cidade de São Paulo. O nome foi escolhido em homenagem ao clube inglês Corinthian Football Club, que na época havia feito uma excursão ao Brasil (em 1939 o Corinthian F. C. fundiu-se com o Casuals F. C., formando o Corinthian-Casuals Football Club, clube que existe até hoje e joga uma divisão regional na Inglaterra).

Projeto do novo estádio do Corinthians

Projeto do novo estádio do Corinthians

O Corinthians tradicionalmente manda seus jogos no estádio do Pacaembu, em São Paulo, mas também já mandou jogos no Estádio Parque São Jorge, a Fazendinha ou Alfredo Schrürig. Nas comemorações do Centenário, o clube anunciou a construção de um estádio próprio, coisa que os rivais municipais já possuem (Palmeiras – Palestra Itália e São Paulo – Morumbi). O estádio tem previsão para inauguração em 2013 e a intenção é de que seja palco de partidas da Copa do Mundo de 2014, incluindo a abertura.

O Corinthians foi o primeiro clube a conquistar o Mundial de Clubes, desde que começou a ser organizado pela FIFA, em 2000. Essa conquista, contudo, é bastante contestada pelos torcedores rivais, uma vez que o clube só participou do torneio uma vez que era representante do país-sede, como atual campeão nacional, e não foi campeão continental, ou seja, da Taça Libertadores da América. A Libertadores, por sinal, é o maior sonho de consumo da torcida corinthiana.

Camisa comemorativa do centenário do Corinthians

Dentre outros títulos que o Corinthians conquistou estão: 4 Campeonatos Brasileiros (1990, 1998, 1999 e 2005 – este último marcado pelos escândalos de arbitragem que anularam alguns jogos), 3 Copas do Brasil (1995, 2002 e 2009), 1 Brasileiro da Segunda Divisão (2008), 1 Supercopa do Brasil (1991), 5 Torneios Rio-São Paulo (1950, 1953, 1954, 1966 e 2002) e 26 Campeonatos Paulistas (o título de 1977 encerrou um jejum de 23 anos sem conquistas).

A torcida do Corinthians é considerada a segunda maior do Brasil, perdendo apenas para o Flamengo.


Estádio da Semana: Alameda

28/01/2010

Inaugurado em 27 de maio de 1948, o Estádio Otacílio Negrão de Lima era pertencente ao América Futebol Clube, de Belo Horizonte.

O América, fundado em 1912, inicialmente mandava seus jogos num campo num terreno na Avenida Augusto de Lima, próximo à Praça Raul Soares. No final da década de 1920, mais precisamente em 1929, a prefeitura de Belo Horizonte, com o então prefeito Cristiano Machado, comprou aquele terreno pertencente ao clube, para a instalação do Mercado Municipal de BH, que hoje é o Mercado Central.

Por alguns anos, o América disputava seus jogos no mesmo estádio que os outros grandes clubes da cidade, Palestra Itália e Athlético Mineiro, o estádio do Prado Mineiro, onde hoje é a sede do Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, na Rua Platina, no bairro do Prado. O Atlético, porém, construiu seu estádio no próprio ano de 1929, o estádio Antônio Carlos, no bairro de Lourdes. O Palestra, por sua vez, concluiu as obras do seu estádio Juscelino Kubitschek em 1945, no bairro do Barro Preto. Ainda assim, o estádio do Prado era o maior da cidade.

Com os dois rivais com o seu próprio estádio, o dinheiro da venda do terreno antigo e já com o título de decacampeão mineiro entre 1916 e 1925, o América compra então um terreno na Avenida Francisco Sales, no bairro de Santa Efigênia. E neste local constrói o estádio Otacílio Negrão de Lima. Com o passar do tempo, o estádio ficou conhecido como Estádio da Alameda, por também ter entrada pela Alameda Álvaro Celso.

O estádio foi inaugurado em 27 de maio de 1948, com a realização de uma festividade solene de apresentação do Torneio Quadrangular de Belo Horizonte, cujos jogos aconteceram nos dias seguintes. O estádio recebeu o nome do então prefeito de Belo Horizonte, Otacílio Negrão de Lima (prefeito de BH entre 1935 e 1938 e entre 1947 e 1951), que tinha grande influência e participação dentro do clube. Participaram do torneio, além do América, o Vasco (atual campeão carioca e do primeiro Sul-Americano de Clubes, em 1948 mesmo, e com a base da Seleção Brasileira que jogaria a Copa de 1950), o São Paulo (campeão paulista) e o Atlético Mineiro (campeão do Campeonato da Cidade de 1947 – antecessor do campeonato mineiro). O América sagrou-se campeão do torneio, vencendo o Vasco por 4 a 2, e empatando com os outros dois rivais. Ainda em 1948, o América sagrou-se campeão do Campeonato da Cidade (Campeonato Mineiro), porém só voltaria a conquistá-lo nove anos depois, em 1957.

À época de sua inauguração, o Estádio da Alameda era considerado o terceiro melhor do país, perdendo para o Pacaembu, em São Paulo, e São Januário, no Rio de Janeiro. A capacidade do estádio era de 15.000 pessoas. Na inauguração, o público foi de 12.500 pessoas, sendo 10.652 pagantes, o que proporcionou a maior renda do futebol mineiro até então: 300 mil cruzeiros. Com toda pompa, a Alameda tomou do Prado o título de principal estádio da cidade de Belo Horizonte.

Isso durou apenas dois anos, afinal, já em 1950, foi inaugurado o estádio Raimundo Sampaio, o Independência, construído para abrigar jogos da Copa do Mundo do mesmo ano. Nessa época, o Independência era pertencente ao Governo de Minas Gerais. Depois de 1948, o América só voltaria a ser campeão mineiro em 1957, já no Independência. Assim, o estádio da Alameda ia perdendo aos poucos sua importância.

Com a inauguração do Mineirão, em 1965, o Independência passou a ser posse do Sete de Setembro FC. O próximo título estadual do América só viria em 1971, já no “Gigante da Pampulha”. Ainda na década de 1960, o América entra numa grave crise financeira. Para de investir nas divisões de base e perde grandes talentos, como Tostão e Hílton Oliveira, para o Cruzeiro, que nessa época monta um dos melhores times da história do futebol brasileiro. O América, que já havia sido o maior clube de BH, agora era a terceira força da cidade, perdendo em número de torcedores e também financeiramente.

A crise durante a década de 1960 resultou na venda do terreno do estádio da Alameda em 1973, durante a gestão do presidente Ruy da Costa Val. O América estava ameaçado de ser fechado, tão grave a crise financeira. O déficit era maior a cada mês, sendo que funcionários e jogadores já não recebiam seus salários. Nem empréstimos o América podia receber. Em entrevista na época, o presidente relatou que metade do estádio também já não pertencia ao clube, pois fora desapropriada pela Prefeitura. E era justamente a metade mais valiosa do estádio, a que dava de frente para a Avenida Francisco Sales. Com o passar dos anos, entre 1948 e 1973, várias partes do estádio já haviam avançado a terrenos de outras pessoas, próximas ao local, sendo necessária a ajuda do governo estadual para o América conseguir as escrituras necessárias. Os dirigentes da época lutavam para recuperar a parte que havia sido perdida do estádio.
O estádio em si já era defasado, uma vez que por suas pequenas dimensões (menos de 100 metros) não servia para os treinos do América, sequer para jogos. Abaixo das arquibancadas era mantida toda a infraestrutura do clube: escritórios para os dirigentes e vestiáros, dormitórios e refeitórios para os atletas.

Através de um decreto do então governador do estado de Minas Gerais, Rondon Pacheco, o América pode vender o terreno do estádio da Alameda para o Grupo Pão de Açúcar. No local, foi construído o primeiro hipermercado da cidade, o Jumbo (posteriormente se tornaria Jumbo Eletro, e na década de 1990 viraria o Extra Hipermercados, ainda hoje do Grupo Pão de Açúcar).

Com o dinheiro recebido com a venda do estádio da Alameda, o América construiu sua nova sede social, com mais de 20 mil metros quadrados, no bairro Ouro Preto, além de quitar todas as suas dívidas.

Fontes: Diafragma, Templos do Futebol, Wikipédia e Superesportes.


Brasileiros na Pré-Libertadores

26/01/2010

Começa hoje a 51ª edição da Copa Libertadores da América, a maior competição interclubes do continente sulamericano. As partidas de hoje, entre Deportivo Táchira (VEN) x Libertad (PAR) e Colón (ARG) x Universidad Católica (CHI), são válidas pela Primeira Fase da Libertadores, um estágio preliminar que indicará mais seis clubes para a Segunda Fase do torneio, que é a tradicional fase de grupos.

Palmeiras A primeira edição em que ocorreu essa disputa mata-mata para indicar clubes para a fase de grupos foi em 2005. Nesta edição, o Palmeiras, quarto colocado no Campeonato Brasileiro de 2004, teve de enfrentar o Tacuary, do Paraguai. Empate no primeiro jogo por 2 a 2, e vitória palmeirense em casa por 2 a 0. Com a classificação, o Palmeiras caiu no grupo 4, onde estava o também brasileiro Santo André, campeão da Copa do Brasil do ano anterior. O Palmeiras, porém, foi desclassificado pelo futuro campeão São Paulo nas oitavas de final. O Guadalajara, do México, também classificado através da fase preliminar, chegou até as semifinais da competição, sendo eliminado pelo Atlético Paranaense.

GoiásEm 2006, com o São Paulo sendo o atual campeão, o Brasil ganhou mais uma vaga na Libertadores (seis). Assim, dois brasileiros tiveram de disputar a fase preliminar. O Goiás, terceiro colocado do Brasileirão, enfrentou o Deportivo Cuenca, do Equador. Empatou fora de casa por 1 a 1, mas venceu no Serra Dourada por 3 a 0. O Palmeiras, quarto colocado do Brasileiro, participou pela segunda vez consecutiva da fase preliminar, enfrentando dessa vez o Deportivo Táchira. Venceu os dois jogos, no Palestra Itália por 2 a 0 e na Venezuela por 4 a 2. Os dois alviverdes avançaram somente até as oitavas de final, quando o Goiás foi eliminado pelo Estudiantes de La Plata, da Argentina, e o Palmeiras, de novo, pelo São Paulo. O Guadalajara, que novamente também veio da fase preliminar, novamente foi eliminado nas semifinais e novamente pelo brasileiro que seria o vice-campeão do torneio, agora o São Paulo.

SantosParanáEm 2007, com o Internacional defendendo o título, o Brasil teve de novo seis participantes na Libertadores, com dois deles participando da fase preliminar. O Santos, quarto colocado no Brasileiro 2006, enfrentou o Blooming, da Bolívia, e venceu os dois jogos: 1 a 0 fora de casa e 5 a 0 na Vila Belmiro. O Paraná, quinto colocado no Brasileiro 2006, também se saiu bem contra o Cobreloa, do Chile. Venceu por 2 a 0 fora de casa e empatou por 1 a 1 em Curitiba. O Santos conseguiu chegar até as semifinais, quando foi eliminado pelo Grêmio. Já o Paraná parou nas oitavas de final, contra o Libertad, do Paraguai.

CruzeiroEm 2008, a fase preliminar da Libertadores passou a se chamar Primeira Fase, e a fase de grupos Segunda Fase. Mas o sistema continuou o mesmo, e o Cruzeiro, quinto colocado no Brasileirão 2007, teve de enfrentar o Cerro Porteño, do Paraguai. Se saiu bem, com duas vitórias: 3 a 1 no Mineirão e 3 a 2 no Defensores del Chaco. O Cruzeiro chegaria até as oitavas de final, quando foi eliminado pelo Boca Juniors. O que foi mais longe dos times que saíram da fase preliminar foi o Atlas, do México, que foi eliminado nas quartas de final, também pelo Boca.

Real PotosíEm 2009, pela terceira vez o Palmeiras teve de disputar a fase preliminar da competição, agora como quarto colocado no Brasileiro de 2008. O adversário da vez foi o Real Potosí, da Bolívia. O Verdão venceu em casa por 5 a 1 e nem a altitude de 4000 metros foi capaz de impedir uma nova vitória dos brasileiros, por 2 a 0. O Palmeiras chegou até as quartas de final, quando foi eliminado pelo Nacional, do Uruguai. E em 2009, pela primeira vez, um clube que saiu da fase preliminar conseguiu se sagrar campeão. Foi o Estudiantes de La Plata, da Argentina, que venceu o Cruzeiro na final.

Em 2010, o Cruzeiro enfrentará a fase preliminar pela segunda vez, como quarto colocado no Brasileiro do ano passado. E o Real Potosí é novamente adversário de um clube brasileiro, como no ano passado. Dessa vez, porém, o primeiro jogo é na Bolívia e o segundo no Brasil.


Copa Bimbo 2010

20/01/2010

Troféu da Copa Bimbo Entre os dias 15 e 18 de janeiro foi realizada a segunda edição da Copa Bimbo, que ficou conhecida no Brasil como Torneio Verão. A competição novamente foi realizada em sua totalidade no Estádio Centenário, em Montevidéu, Uruguai. Novamente teve a presença dos dois principais clubes da capital uruguaia, Nacional e Peñarol. Mas dessa vez ao invés de Cruzeiro e Atlético Mineiro, foram convidados o Danúbio, também de Montevidéu, além do Nacional do Paraguai.

Na primeira fase, assim como no ano passado, o Nacional do Uruguai venceu o rival Peñarol, dessa vez por 6 a 5 nos pênaltis, após um empate em 0 a 0 no tempo normal. Na outra semifinal o Danubio goleou o Nacional do Paraguai por 5 a 2.

Na disputa pelo terceiro lugar Peñarol e Nacional do Paraguai empataram por 2 a 2 no tempo normal e os visitantes venceram por 3 a 1 nos pênaltis. Na final, houve embate entre o Nacional do Uruguai e o Danubio. O Danubio abriu o placar aos 33 do segundo tempo, gol de Diego Perrone. Mas aos 46 do segundo tempo o Nacional conseguiu o empate, com gol de Sergio Blanco. Mas dessa vez o Nacional, que perdeu a final do ano passado para o Cruzeiro, teve melhor sorte e venceu por 3 a 1 nos pênaltis, ficando com o segundo título da Copa Bimbo.

Os dois “Nacionais” vão disputar a Copa Libertadores 2010. O do Paraguai está no grupo 2, junto com São Paulo, Once Caldas e Monterrey. O do Uruguai no grupo 6, junto com Banfield, Deportivo Cuenca e Morelia.


Campeões pela América do Sul

22/12/2009

O mês de dezembro foi de decisão nos campeonatos nacionais em toda a América do Sul. Na maioria destes países, são disputados dois campeonatos por ano, geralmente chamados de Apertura e Clausura.

Independiente Medellín O Independiente Medellín venceu neste último domingo por 3 a 2 (placar agregado) o Atlético Huila na final da Copa Mustang II (ou Torneio Finalización) e se tornou o segundo campeão colombiano do ano de 2009. Foi o 5º título nacional do clube. O outro campeão do ano (Torneio Apertura / Copa Mustang I) havia sido o Once Caldas, em junho.

Banfield Na Argentina, o Banfield, apesar da derrota para o Boca Juniors por 2 a 0 em La Bombonera, sagrou-se campeão do torneio Apertura 2009, válido pela temporada 2009/2010. O clube terminou com 41 pontos contra 39 do segundo colocado, o Newell’s Old Boys. Foi o primeiro título nacional do clube alviverde.

No Brasil, na última rodada havia quatro equipes com chances de conquistar o título. Melhor para o Flamengo, que venceu o Grêmio no Maracanã e conquistou o seu sexto Campeonato Brasileiro, o que não acontecia desde 1992. O Flamengo terminou a competição com 67 pontos, dois a mais que Internacional e São Paulo.

Colo-Colo No Chile deu Colo-Colo, que venceu a Universidad Católica por 6 a 4 (placar agregado) nas finais do Torneio Clausura 2009 e conquistou seu 29º campeonato chileno. O outro campeão do ano de 2009 havia sido a Universidad de Chile, que conquistou o Apertura 2009 em julho.

Deportivo Quito No Equador, o Deportivo Quito venceu o Deportivo Cuenca por 4 a 3 (placar agregado) e conquistou a Serie A. Foi o quinto campeonato conquistado pela equipe. No Equador, assim como no Brasil, existe somente um campeonato nacional por ano, mas lá o campeonato acontece entre janeiro e dezembro.

Nacional do ParaguaiNo Paraguai, o Nacional somou 41 pontos, um a mais que o Libertad e conquistou o Torneio Clausura. Foi o sétimo título paraguaio do Nacional. O campeão do Torneio Apertura, o outro campeonato de 2009, havia sido o Cerro Porteño, em julho.

Universitario No Peru, este ano houve o fim do sistema de Apertura e Clausura. No Torneo Descentralizado, o Universitario venceu os dois jogos da final contra o Alianza Lima e conquistou seu 25º campeonato peruano.

No Uruguai e na Venezuela, acabaram os torneios Apertura da temporada 2009/2010, mas seus vencedores não são considerados campeões nacionais.


Barcelona, enfim, Campió del Món

19/12/2009

FC BarcelonaA vitória apertada de 2 a 1 sobre o Estudiantes de La Plata, deu ao FC Barcelona o único título importante que faltava em sua imensa galeria de troféus: o de campeão do mundo. O clube catalão já havia perdido o título em duas oportunidades. Campeão da Champions League pela primeira vez na temporada 1991/1992, enfrentou o campeão da Libertadores daquele mesmo 1992, o São Paulo, na decisão da então Copa Europeia/Sulamericana, ou Toyota Cup, o que todos conhecemos como Mundial Interclubes. O Barcelona abriu cedo o placar do Estádio Nacional de Tóquio com o craque búlgaro Hristo Stoichkov aos 12 minutos. Porém Raí empatou aos 27 do primeiro tempo e virou aos 33 do segundo tempo, com um belo gol de falta. Aquele time do Barcelona, além de Stoichkov tinha outros bons jogadores como o dinamarquês Michael Laudrup, o zagueiro holandês Ronald Koeman, o goleiro espanhol Zubizarreta, além do atual técnico do time, Josep Guardiola.

Em 2006 já estava em disputa a Copa de Mundo de Clubes da FIFA, contanto com os campeões dos outros continentes além de Europa e América do Sul. Essa edição foi também disputada no Japão e o Barcelona já entrou na fase semifinal, onde humilhou o América do México, campeão da CONCACAF por 4 a 0, gols de Guðjohnsen, Rafa Márquez, Ronaldinho Gaúcho e Deco. Na final, no Estádio Internacional de Yokohama, enfrentou mais uma vez um clube brasileiro, o Internacional. O Barcelona pressionou o time gaúcho durante todo o jogo, mas sem sucesso. Até que numa bola lançada aos 37 do segundo tempo, o criticado Adriano Gabiru faz o gol que dá o título para o Colorado. O Barcelona era novamente vicecampeão mundial.

Esse ano a história pareceu que iria se repetir. O torneio foi disputado pela primeira vez na cidade de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Na semifinal novamente um adversário mexicano para o Barça, dessa vez o Atlante, de Cancún. O campeão da CONCACAF até abriu o placar aos 5 minutos do primeiro tempo, mas o clube catalão conseguiu a virada para 3 a 1 e mais uma chance para ser campeão mundial. Dessa vez, porém, o adversário não seria brasileiro, mas sim argentino. O Estudiantes de La Plata até tentou apelar para a superstição, entrandono Zayed Sports City de uniforme todo branco (o São Paulo e o Inter haviam vencido o Barcelona também vestidos de branco). Mesmo com a pressão do clube espanhol, o Estudiantes abriu o placar com Boselli aos 37 do primeiro tempo. O gol fez os argentinos recuarem ainda mais, mas o Barcelona não fazia o gol. O jovem Pedro, que entrou no intervalo finalmente empatou a partida aos 44 do segundo tempo, levando a decisão para a prorrogação. Um cansado Estudiantes não suportou mais a pressão do Barcelona que virou a partida aos 5 minutos do segundo tempo da prorrogação, com gol do argentino Lionel Messi, após cruzamento de Daniel Alves.

O Barcelona era campeão de tudo. Nesse ano de 2009, venceu a Tríplice Coroa: campeão espanhol, campeão da Copa do Rei (a Copa da Espanha) e campeão da UEFA Champions League (o campeonato europeu). Além disso, venceu a Supercopa Espanhola e a Supercopa da Europa. A Copa do Mundo de Clubes é o sexto título oficial do Barça no ano, algo talvez nunca atingido por nenhum clube. O atacante Pedro também conseguiu um feito inédito, sendo o primeiro jogador na história a marcar gols em seis competições diferentes no mesmo ano.

Este título foi também o quinto mundial de um clube espanhol. O Real Madrid foi campeão em 1960, 1998 e 2002 e o Atlético de Madrid campeão em 1974. O Estudiantes permanece com seu único título mundial em 1968.

Um detalhe: o Barcelona jogou a partida com seu uniforme reserva, cor “salmão”. Porém, para a cerimônia de premiação, todos os jogadores vestiram a camisa tradicional do clube, azul e grená. Algo louvável e que deveria ser repetido por todos os outros clubes campeões, que muitas vezes na hora de levantar um troféu, algo histórico, estão vestidos com camisas comemorativas ou outras quaisquer, exceto a verdadeira camisa do time.