Cruzeiro 89 anos

02/01/2010

Há exatos 89 anos, em 2 de janeiro de 1921, uma reunião num prédio na Rua dos Caetés, no centro de Belo Horizonte, com cerca de cem desportistas de origem italiana fundava a Societá Sportiva Palestra Itália. Era o início daquele que se tornaria um dos nove principais clubes de futebol do Brasil, reconhecido internacionalmente, o Cruzeiro Esporte Clube. A ideia havia surgido em 1916, quando foi formado um combinado de jogadores de origem italiana em Belo Horizonte para a disputa de amistosos. Muitos dos jogadores eram vinculados ao Yale Athletic Club, o primeiro clube com jogadores ítalo-brasileiros na capital mineira. Daí a confusão ao dizer que o Yale deu origem ao Palestra. 13 jogadores saídos do Yale formaram o primeiro plantel do Palestra em 1921, que também contou com jogadores vindos do Atlético, Guarany e Ipanema. Os jogadores do Palestra eram em sua maioria também operários, moradores das regiões externas à Avenida do Contorno, na época o subúrbio da cidade. O primeiro estatuto do clube foi solicitado por correio ao Palestra de São Paulo, atual Palmeiras, e aprovado por unanimidade, excluindo-se apenas o item que exigia participação exclusiva do pessoas com origem italiana, o que fez o Palestra mineiro aumentar sua popularidade rapidamente.

A primeira partida do clube aconteceu em 3 de abril de 1921, contra um combinado entre o Villa Nova e o Palmeiras, ambos de Nova Lima. A partida no estádio do Prado Mineiro (atual sede do Batalhão da Polícia Militar de MG, no bairro Prado) terminou 2 a 0 para os palestrinos. Duas semanas depois, em 17 de abril, o primeiro clássico contra o Atlético. Nova vitória do Palestra, dessa vez por 3 a 0, também no estádio do Prado. O primeiro título veio em 1927, mas era referente ao Campeonato da Cidade de 1926, após a vitória de 10 a 1 sobre o Grêmio, de Belo Horizonte.

Em agosto de 1942 um decreto federal exigiu a extinção de todos aqueles itens que faziam referência aos países inimigos do Brasil na Segunda Guerra Mundial, entre eles a Itália. Dessa forma, em 2 de outubro, foi anunciado que o Palestra mineiro passaria a se chamar Ypiranga, em homenagem à independência do Brasil. Em 4 de outubro o clube disputou uma partida contra o Atlético, perdendo por 2 a 1, mas com o nome oficial ainda Palestra Itália. Na assembleia do dia 7 de outubro, foi sugerido o nome de Cruzeiro Esporte Clube e a adoção das cores azul e branco.

O Cruzeiro crescia rapidamente e aos poucos deixava de ser a terceira força do futebol mineiro para se tornar a primeira. A década de 1960 foi um marco na história do Cruzeiro e representou uma época de grandes feitos e conquistas de um time, que recebeu o nome de academia. A equipe de  Raul, Zé Carlos, Piazza, Natal, Tostão entre outros, conquistou o Brasil com duas vitórias sobre o Santos. Na decisão, duas vitórias memoráveis sobre o time de Pelé – 6 x 2, em 30 de novembro, no Mineirão, e 3 x 2, no dia 7 de dezembro, no Pacaembu.

Já na década de 1970, a segunda academia do Cruzeiro ficou marcada pelo título da Copa Libertadores. O adversário da final foi o River Plate, da Argentina. No primeiro confronto, em 21 de julho, o Cruzeiro aplicou 4 x 1, em Belo Horizonte. No segundo, no dia 28 do mesmo mês, perdeu de 2 x 1, em Buenos Aires. Mas dois dias depois, no tira-teima decisivo, em Santiago, no Chile, a equipe estrelada ganhou por 3 x 2 e levantou o troféu da competição.

Após um período difícil na década de 1980, sem grandes conquistas, a torcida azul voltou a sorrir em 1991, quando time celeste venceu a Supercopa, novamente levando a melhor sobre o River Plate. No ano seguinte, o torneio ficou mais uma vez nas mãos cruzeirenses, batendo outro clube argentino, o Racing.

Em 1997, veio o bicampeonato da Copa Libertadores. Na partida de ida da decisão, houve empate sem gols com o Spoting Cristal, do Peru, em 6 de agosto. Dali sete dias, no Mineirão, o Cruzeiro bateu o adversário por 1 x 0, dando início a mais uma belíssima festa da china azul.

O time estrelado tornou-se o maior vencedor da Copa do Brasil. Ao lado do Grêmio, detêm quatro conquistas da competição, vencendo as edições de 1993, 1996, 2000 e 2003. Neste último ano, inclusive, a equipe mineira conseguiu ainda os campeonatos Mineiro e Brasileiro, ganhando a denominação de campeão da Tríplice Coroa.

Para 2010, o Cruzeiro buscará o tricampeonato da Copa Santander Libertadores, um feito que quase conseguiu no ano passado. Para isso, o Clube aposta na manutenção da base e no terceiro ano seguido do técnico Adilson Batista à frente do bicampeão Mineiro.

Cruzeiro

Fontes: site oficial do Cruzeiro e Almanaque do Cruzeiro

Anúncios

Petrobrás Brasileirão 2009

30/08/2009

Como previsto no Parágrafo Único do Artigo 6º do regulamento do Campeonato Brasileiro de 2009, “A CBF poderá negociar comercialmente a adoção de uma outra denominação para o troféu de campeão brasileiro, através de contrato com patrocinador específico”. Eis que a partir dessa 22º rodada do Campeonato Brasileiro, o torneio passa a se chamar “Brasileirão Petrobrás 2009”. A empresa petrolífera brasileira deixou de patrocinar o Flamengo há poucos meses atrás, num contrato que durava desde 1984 e agora investe no naming rights do principal torneio de futebol do país.

Petrobras2009

Naming rights ou direitos de nome, não é nada mais do que quando uma empresa resolve comprar ou alugar o nome de algum lugar ou evento, colocando o próprio nome da empresa ou de algum produto. Por exemplo, aqui em Belo Horizonte, o antigo Marista Hall se tornou Chevrolet Hall.

Não é a primeira vez que a Série A tem seu nome associado à de uma empresa. Em 2005, a Nestlé comprou os direitos do torneio, que se chamou “Taça Nestlé Brasileirão 2005”, sendo que o Corinthians, campeão daquele ano, além da tradicional taça do Campeonato Brasileiro, também ficou com a Taça Nestlé.

Nestle2005

O segundo torneio mais importante do país, a Copa do Brasil, esse ano, pela primeira vez também teve seu nome associado a uma empresa. A Kia Motors patrocinou o torneio, que se chamou “Copa Kia do Brasil 2009”.

Naming rights no futebol são comuns em torneios internacionais. Na Europa temos a Liga Sagres (1ª divisão portuguesa), Liga Vitalis (2ª divisão portuguesa), Carling Cup (a Copa da Liga Inglesa). Essa última, inclusive, tem seus nomes ligados a alguma empresa desde 1982. Na América do Sul temos a Libertadores, que entre 1998 e 2007 foi a “Copa Toyota Libertadores” e a desde o ano passado se chama “Copa Santander Libertadores. Dos torneios da Conmebol também temos a “Copa Nissan Sudamericana” e a “Recopa Visa Sudamericana”.

Talvez esse seja o primeiro passo para um campeonato brasileiro mais organizado, em padrão próximo ao europeu. Quem sabe um dia seja regra os clubes jogarem com numeração fixa, nomes dos jogadores nas costas, patch da competição na manga da camisa… Além, claro, de um calendário melhor ajustado, jogadores de melhor qualidade, estádios confortáveis e seguros.